terça-feira, 14 de maio de 2019

Rendimento disponível dos particulares - 2018


1. Distingue rendimento pessoal de rendimento pessoal disponível.
R: O rendimento pessoal é a soma entre os rendimentos primários(rendimentos de trabalho e rendimentos de propriedade) e os rendimentos secundários(transferências internas e transferências externas) enquanto que o rendimento pessoal disponível é o rendimento pessoal menos os impostos directos e as contribuições sociais o que vai dar o rendimento pessoal disponível que é a quantia que o indivíduo tem para gastar optando por consumir ou poupar.
2. Distingue impostos directos de impostos indirectos.
R: Os imposto directos são aqueles que cabem ao capital e ao rendimento enquanto que os indirectos são aqueles que cabem ao consumo.
3. Distingue as contribuições para a segurança social dos impostos.
R: O estado cobra impostos de acordo com a política fiscal e pode gasta-los onde quiser enquanto que as contribuições sociais são destinadas a uma despesa específica como por exemplo as reformas,
4. Explica porque motivo a despesa em bens não duradouros é a parcela mais estável do consumo.
R: Pois os bens não duradouros são por exemplo bens alimentares e não há uma diferença muito grande na quantidade de consumo enquanto bens duradouros por exemplo sapatos, se tivermos um rendimento maior podemos não o usar tanto tempo esses sapatos e comprar outros para estar na moda enquanto que se tivermos menos rendimento podemos usa-los mais tempo tornando assim uma parcela menos estável que os bens não douradores.
5. Utilizando o ficheiro de ajudacalcula:

6. Interpreta os cálculos acima efectuados:
a) Em que ano o rendimento disponível dos particulares (RDP) caiu mais;R:2011
b) Nesse ano, quais as rubricas cuja queda mais contribuiu para a redução do RDP;R:Renumeração do trabalho, Rendimentos de empresa e propriedade.
c) Nesse ano, quais as rubricas cujo aumento mais contribuiu para a redução do RDP;R:Impostos directos.
d) Nesse ano, comenta a variação verificada no consumo de bens duradouros;R: Como o rendimento disponível diminuiu os bens eram utilizados por mais tempo.
e) Nesse ano, o significado da taxa de poupança. Como se justifica a queda da taxa de poupança após o final do Programa de Assistência Económica e Financeira (2011-2014, vulgo Troika).
R: Na Troika os impostos aumentaram e os rendimentos disponíveis diminuíram e as pessoas poupavam pois tinham medo do futuro logo a taxa de poupança aumentou.
7. Constrói um gráfico que ilustre que: RDP = Consumo de duradouros + Consumo de não-duradouros + Poupança (PREVIEW
Comenta.
R: Os bens douradores e não douradores aumentavam e diminuíam em conjunto afectando a poupança, porém o maior valo era dos bens não duradouros, e no ano em que os bens duradouras e os bens não duradouras apresentavam valores mais altos a poupança teve o seu valor mais baixo isto mostra que quando a poupança diminui o consumo dos bens aumenta e quando a poupança aumenta o consumo dos bens diminui.

terça-feira, 7 de maio de 2019

Salário nominal vs. Salário real – 2019

1. Distingue salário nominal de salário real.
R: Salário nominal é o salário expresso em moeda enquanto que o salário real é o salário expresso em bens.
2. Explica como o salário real varia com o (1) aumento do salário nominal e (2) a taxa de inflação.
R: O salário real aumenta e diminui dependendo do salário nominal e da taxa de inflação por exemplo, se a taxa de inflação aumentar 5% e o salário nominal aumentar também 5% o salário real mantém-se, se a taxa de inflação aumentar mais que o salário nominal o salário real diminui e se a taxa de inflação aumentar menos que o salário nominal o salário real aumenta.
3. Relaciona as expressões “salário real” e “poder de compra”.
R: O salário real é o valor do conjunto de bens que podemos adquirir, ou seja, o nosso poder de compra.
4. Indica como se calcula o salário real.
R: Para calcular o salário real dividimos o salário nominal pelo IPC e multiplicamos por 100.
(Salário nominal/IPC*100)
5. Explica o que significa “indexar os salários” à taxa de inflação.
R: Indexar os salários significa os salários aumentarem ao mesmo ritmo da taxa de inflação.
6. Preenchendo o ficheiro de ajuda, de 2005 a 2018:
a) Calcula a taxa de inflação (linha 2);
b) Calcula a taxa de variação do salário nominal (linha 4);
c) Calcula o ganho (+) ou perda (-) do poder de compra pela diferença ente as variações de salários e de preços (linha 5);
d) Calcula o salário real em cada ano, a preços de 2005 (linha 6);
e) Calcula a taxa de variação do salário real (linha 7);
f) Calcula o valor do salário correspondente a 500€ em 2005, admitindo a sua indexação à taxa de inflação (linha 8).

7. Interpretando o ficheiro de ajuda, indica em que ano:
a) Os preços estavam mais baixos;R:2005 
b) Os preços estavam mais altos;R:2018
c) Os preços subiram mais;R:2011
d) Os preços subiram menos;R:2013
e) Os preços desceram mais;R:2009
f) Os preços desceram menos;R:2014
g) Os salários reais estavam mais baixos;R:2006
h) Os salários reais estavam mais altos;R:2018
i) Os salários reais subiram mais;R:2009
j) Os salários reais subiram menos;R:2014
k) Os salários reais desceram mais;R:2012
l) Os salários reais desceram menos;R:2006
m) Os salários nominais subiram mais;R:2010
n) Os salários nominais subiram menos;R:2006
o) Os salários nominais desceram mais;R:Não desceu
p) Os salários nominais desceram menos;R:Não desceu
q) O salário de 481,7€ em 2018, permite adquirir o cabaz de bens e serviços que em 2005 se comprava com ___374,7___€.

8. Calcula quanto deveria um trabalhador auferir em 2018 para adquirir o mesmo cabaz de bens e serviços que comprava em 2005 com 1.000,00 €. 
R: Em 2018 com 602€ compravamos o mesmo que em 2005 com 500€, se em 2005 tivessemos um salário de 1000€ ent com 2018 comprariamos o mesmo com 1204€ pois como 1000€ é o dobro de 500 ent so temos que multiplicar os 602 por 2.

sexta-feira, 3 de maio de 2019

Curva de Lorenz e Coeficiente de Gini

2. Considerando a distribuição de rendimentos nos países C e D:
Ficheiro de ajuda
a) Calcula o rácio S80/S20;
b) Constrói o Gráfico com as Curvas de Lorenz;
c) Calcula os Coeficientes de Gini.
3. Interpreta os valores obtidos nas alíneas do ponto anterior.
Na alínea a) podemos verificar que o país C tem um rendimento distribuído de melhor forma pois os a percentagem dos 20% mais ricos é 8,38 vezes maior que a dos 20% mais pobres enquanto no país D a percentagem dos 20% mais ricos é 58,58 vezes maior que a dos 20% mais pobres. Na alínea b) podemos ver que o país C tem o rendimento distribuido de melhor forma pois a curva de Lorenz está mais perto da curva de igualdade absoluta enquanto que o páis D tem uma curva de Lorenz mais afastada. Na alínea c) podemos reparar que o país C tem um rendimento distribuido de melhor forma pois o seu Coeficiente de Gini é mais baixo que no país C tendo um coeficiente de 31,40 e o país D de 49,07.
4. Constrói uma tabela com os Coeficientes de Gini para 10 países da UE, considerando os dados de 2007-2017. Comenta a posição de Portugal relativamente aos restantes países que seleccionaste.
 R: Como podemos verificar na tabela a Eslováquia é o país que em 2017 tinha o rendimento distribuido de melhor forma tendo um coeficiente de Gini mais baixo e que portugal era o país com um rendimento pior distribuido tendo um coeficiente de Gini mais elevado em relação aos outros 10 países Portugal é o único que tem um coeficiente de Gini superior a 30.

quinta-feira, 2 de maio de 2019

Repartição pessoal dos rendimentos: Leque salarial e Rendimento per capita


1. Aponte algumas razões que podem conduzir a uma repartição do rendimento injusta, mesmo num mercado eficiente.
R: Mesmo num mercado eficiente a repartição do rendimento pode ser injusta pois isso também depende do local onde nascemos, da família que somos, do património que herdamos, das suas capacidades de trabalho e talento, por exemplo, nos dias de hoje ainda existe racismo isso pode levar a uma pessoa de pele escura ter um rendimento mais pobre que uma pessoa de pele clara, ou por exemplo alguém que nasça numa região pobre terá um rendimento pobre enquanto que uma pessoa que nasça numa região rica terá um rendimento mais rico.
2. Distinga o rendimento pessoal do rendimento pessoal disponível.
R: O rendimento pessoal é a soma entre os rendimentos primários(rendimentos de trabalho e rendimentos de propriedade) e os rendimentos secundários(transferências internas e transferências externas) enquanto que o rendimento pessoal disponível é o rendimento pessoal menos os impostos directos e as contribuições sociais o que vai dar o rendimento pessoal disponível que é a quantia que o indivíduo tem para gastar optando por consumir ou poupar.
3. Considerando uma nova distribuição do rendimento, calcula nos 3 países:


a) A percentagem do Rendimento Nacional que cabe ao trabalho (Repartição Funcional do Rendimento) & d) O Rendimento per capita.


b) Quantas vezes o salário máximo é maior que o salário mínimo (Leque salarial);
c) Em que país o rendimento se encontra melhor distribuído? (considerando todos os rendimentos, ie., a Repartição Pessoal do Rendimento);
e) Comente os resultados obtidos nas alíneas acima.
R: Na alínea a) podemos verificar que o país 1 é aquele com um rendimento nacional que cabe ao trabalho mais elevado logo é o país mais desenvolvido pois tem o rendimento repartido de melhor forma e que o país 3 é o que tem o rendimento nacional que cabe ao trabalho mais baixo. Na alínea b) podemos verificar que o país 1 é o mais desenvolvido e que tem um rendimento melhor repartido pois o seu leque salarial cujo 1 salário máximo equivale a 1,125 salários mínimos enquanto que o país 3 (o menos desenvolvido) 1 salário máximo equivale a 1,6 salários mínimos o que nos leva a querer que o país 1 tem o rendimento distribuído de melhor forma. Na alínea c) podemos verificar que o país 2 é o país mais desenvolvido pois o seu RT/N Máximo, o seu RT/N Mínimo é o mais elevado e o seu Leque RT/N é o mais baixo sendo que 1 salário máximo equivale a 2,229 salários mínimos enquanto que no país 3 apesar do seu RT/N Máximo ser mais elevado o seu RT/N Mínimo é muito mais baixo e o seu Leque RT/N é bastante elevado sendo que 1 salário máximo equivale a 8,798 salários mínimos. Na alínea d) podemos verificar que os 3 países têm um rendimento per capita igual.
4. Refira três limitações do Rendimento per capita.
R: - Ignorar a Distribuição do Rendimento pela População
- Economia Não-Registada
- Ignorar as Diferenças de Preços
5. O EuroStat, calculando o Rendimento pessoal disponível per capita real ajustado, já pretende responder a uma das limitações do Rendimento per capita. Qual? Justifique.
R: O EuroStat pretende responder ao problema de ignorar as diferenças de preços comparado os países e as famílias destes tentando ajustar os preços para estes serem semelhantes.
6. Publica um gráfico com os valores do Rendimento pessoal disponível per capita real ajustado, para 10 países contrastantes (5 dos + ricos e 5 dos + pobres). Comenta o gráfico.

sexta-feira, 26 de abril de 2019

Repartição funcional dos rendimentos

1. Explicita o conceito de repartição primária dos rendimentos.
R: A repartição primária dos rendimentos corresponde ao rendimento ser repartido somente pelos factores produtivos.

2. Apresenta os cálculos efectuados para obter o salário mínimo geral mensalizado em 2018. (PORDATA)
R: Com o salário mínimo mensal multiplicaram por 14 (o número de meses que recebem contando com os subsídios) obtendo o valor anual. Dividindo esse valor por 12 obtemos o valor mensalizado.

salário mínimo geral(mensal)= 580,0
salário mínimo geral(anual)= 8.120,0
salário mínimo geral(mensalizado)= 676,7

580,0*14=8.120,0
8.120,0/12= 676,7 -> salário mensalizado


3. Refere o rendimento primário:
a) Mais comum;
R: Salários.
b) Que cabe aos proprietários;
R: Rendas.
c) Associado aos empréstimos;
R: Juros.
d) Mais incerto.
R: Lucros.

4. Calcula o juro resultante de uma aplicação de 500€ durante 5 anos, à taxa de juro (TANB) de 4%, pagando IRS à taxa de 28%.
NOTA: Apresenta os respectivos cálculos e a imagem obtida no Portal do Cliente Bancário

Juro=Capital*Taxa de Juro*Tempo
Juro=500*0,04*5= 100€
100*0,28= 28   100-28=72€ -> Juro



5. Organizaram-se os países da União Europeia em dois grupos contrastantes em termos dos ratings da dívida soberana:
  • Grupo Resgatados
    Portugal (ainda lixo para a Moody's)
    Itália (ainda lixo para a Moody's)
    Grécia (lixo para qualquer agência de rating)
    Espanha (recentemente era lixo)
  • Grupo AAA ou quase
    Alemanha
    Suécia (Sweden)
    França
    Reino Unido
a) Indica a percentagem do PIB que cabe ao trabalho em cada país, utilizando os valores que se observam no Gráfico interactivo em 2018. 
R: Portugal- 44.9
Itália- 40.2
Grécia- 33.4
Espanha- 47.1
Alemanha- 51.5
Suécia- 47.5
França- 52.4
Reino Unido- 49.4
b) Relaciona a repartição funcional do rendimento com o desenvolvimento dos países.
R: Os países mais desenvolvidos têm um PIB per capita mais elevado que os países em desenvolvimento, os países mais desenvolvidos têm um PIB per capita maior que 50.

6. Constrói com os valores disponíveis no (Quadro A.1.3.4.1 - PIB a preços de mercado na ótica do rendimento (preços correntes; anual), INE), um gráfico que mostre a evolução da percentagem das remunerações relativamente ao PIB, ie., a repartição funcional do rendimento actualizando este.


a) Comenta a tendência que observas na repartição funcional do rendimento no período em análise.
R: Desde 1995 até 2001 a repartição funcional do rendimento aumentou, desde 2001 até 2007 a repartição funcional do rendimento diminuiu apesar de se observar alguns aumentos de valores nos anos de 2003, 2005, a partir de 2007 até 2009 a repartição funcional do rendimento aumentou, a partir de 2009 até 2015 a repartição funcional do rendimento diminuiu observando que alguns valores aumentaram no ano 2013, e desde 2015 até 2018 a repartição funcional do rendimento aumentou.
b) Verifica a possibilidade de em 2009, a subida da percentagem do PIB afecta ao trabalho derivar da queda do PIB.
R: Se em 2019 o valor do PIB aumentar isso vai nos levar a crer que as pessoas estão a receber salários mais elevados.

terça-feira, 23 de abril de 2019

A actividade produtiva e a formação dos rendimentos


1. Refere duas medidas políticas propostas pelo RDH2015 tendo em vista a redução das desigualdades de oportunidades

2. Partindo da definição do rácio S80/S20 explica qual seria o seu valor numa sociedade igualitária.
R: Numa sociedade igualitária o valor seria de 1 indicando que S80 e S20 teriam valores iguais.

3. Observando o rácio S80/S20 nos países da União Europeia, relaciona a equidade na repartição do rendimento com desenvolvimento, comparando Portugal com dois países contrastantes.

4. Distingue rendimento de riqueza.
R: Rendimento é um fluxo pois o individuo ganha um ordenado no fim do mês e lucra por ano enquanto que a riqueza é um valor acumulado por exemplo um património de bens financeiros e materiais.

5. Distingue riqueza de capital. 
R: Riqueza é um valor acumulado por exemplo um património de bens financeiros e materiais, enquanto que capital é quando pegamos na nossa riqueza e investimos para fins lucrativos.

6. Distingue rendimento de transferência. 
R: Rendimento é um fluxo pois o individuo ganha um ordenado no fim do mes e lucra por ano enquanto que transferência é um movimento pecuniário  desligado da produção.

7. Relaciona valor acrescentado com rendimento. 
R: O valor acrescentado é um valor que antes não existia e o valor acrescentado é o rendimento que se gera com esse valor acrescentado. 

8. Explica como necessariamente, do desenvolvimento do processo produtivo/actividade produtiva resulta a repartição primária dos rendimentos.

9. Além das disparidades salariais, refere outro factor que contribui para uma repartição do rendimento injusta.
R: Outros factores são os diferenciais de compensação e a segmentação de mercados.

10. Explica as disparidades salariais em resultado dos seguintes factores:
a) Qualificações profissionais;
R: Como as pessoas têm mais qualificações profissionais sabem fazer mais coisas e o salário tende a ser mais elevado.
b) Anos de experiência;
R: Tendo anos de experiência o indivíduo sabe como produzir o produto da melhor forma e mais rápido o que ajuda a empresa a lucrar mais. 
c) Diferencial de compensação (poder de atracção das profissões);
d) Segmentação de mercados em grupos não concorrentes (carreiras/categorias profissionais).